Gooru - Miscelnia de Contedos

É por isso que algumas pessoas amam loucamente seus animais e outras nem tanto

por Redação Gooru 590 views0

A recente popularidade de cachorros, gatos, mini-porcos e outros animais de grife pode sugerir que ter animais de estimação não é mais do que uma moda.

Na verdade, muitas vezes é dito que os animais de estimação são uma espécie de presunção ocidental, um estranho resquício dos animais de trabalho mantidos pelas comunidades do passado. Segundo o censo dos animais de estimação feito pelo IBGE em 2013, o Brasil possui cerca de 130 milhões de animais de estimação, ocupando o 4º lugar no ranking de países com mais pets.

Os animais de estimação custam tempo e dinheiro, mas durante a crise financeira de 2008, os gastos com animais de estimação permaneceram quase inalterados, o que sugere que, para a maioria dos proprietários, os animais de estimação não são um luxo, mas uma parte integral e profundamente amada da família. Algumas pessoas são loucas pelos seus animais de estimação. No entanto, outras simplesmente não estão interessadas neles. Por que isso acontece?

É altamente provável que nosso desejo pela companhia dos animais realmente remonte dezenas de milhares de anos atrás e tenha desempenhado um papel importante na nossa evolução. Se assim for, a genética pode ajudar a explicar por que algumas pessoas simplesmente não conseguem ter amor pelos animais”, diz John Bradshaw, Diretor do Instituto de Antrozoologia da Universidade de Bristol, na Inglaterra, e autor do livro The Animals Among Us (Os animais entre nós, em tradução livre).

Por que temos animais de estimação?

Nos últimos tempos, muita atenção se dedicou à noção de que manter um cachorro (ou possivelmente um gato) pode beneficiar a saúde do dono de várias maneiras – reduzir o risco de doença cardíaca, combater a solidão e aliviar a depressão e os sintomas de depressão e demência. Segundo Bradshaw, existem dois problemas com essas afirmações. Primeiro, há um número semelhante de estudos que sugere que os animais de estimação não têm impacto – ou mesmo têm um ligeiro impacto negativo – na nossa saúde. Em segundo lugar, os donos de animais de estimação não vivem mais do que aqueles que nunca tiveram a ideia de ter um animal na casa, o que eles deveriam se as reivindicações fossem verdadeiras”, aponta.

 

E, mesmo que fossem reais, diz Bradshaw, esses benefícios apenas se aplicam às pessoas urbanas e estressadas ​​de hoje, e não aos seus antepassados ​​caçadores-coletores, por isso não podem ser considerados como a razão pela qual começamos a manter animais de estimação em primeiro lugar. “O desejo de trazer os animais para nossas casas é tão generalizado que é tentador pensar nisso como uma característica universal da natureza humana, mas nem todas as sociedades têm uma tradição de manter animais”, afirma o pesquisador. “Mesmo no Ocidente, há muitas pessoas que não sentem afinidade particular por animais, sejam animais de estimação ou não”.

De acordo com Bradshaw, o hábito de ter animais frequentemente ocorre em famílias: uma vez foi atribuído a crianças que imitavam o estilo de vida de seus pais quando saíam de casa, mas pesquisas recentes sugeriram que isso tem uma base genética. Algumas pessoas, qualquer que seja sua educação, parecem predispostas a procurar a companhia de animais, outras menos. Portanto, os genes que promovem a manutenção de animais domésticos podem ser únicos para os seres humanos, mas não são universais, sugerindo que, no passado, algumas sociedades ou indivíduos – mas não todos – prosperaram devido a um relacionamento instintivo com os animais”, relaciona.

 

DNA Pet

O DNA dos animais domesticados de hoje revela que cada espécie se separou de sua contraparte selvagem entre 15.000 e 5.000 anos atrás, nos últimos períodos paleolítico e neolítico, no mesmo período em que começamos a criar gado, lembra Bradshaw. Mas não é fácil ver como isso poderia ter sido alcançado se aqueles primeiros cães, gatos, gado e porcos fossem tratados como meras mercadorias, e não como companheiros de trabalho. Se assim fosse, as tecnologias disponíveis teriam sido inadequadas para evitar o cruzamento indesejável do gado doméstico com o selvagem, que nos estágios iniciais teriam acesso imediato uns aos outros, diluindo sem fim os genes da “mansidão” e, assim, diminuindo muito o tempo da domesticação – ou mesmo a revertendo. Além disso, os períodos de fome também incentivariam o abate dos reprodutores, destruindo localmente os genes “mansos” inteiramente.

 

Mas, se pelo menos alguns desses animais domésticos iniciais foram tratados como animais de estimação, a contenção física dentro das habitações humanas pode ter impedido que machos selvagens tivessem contato com fêmeas domesticadas. O status social especial, tal qual oferecido a alguns animais de caça-coletores existentes, teria inibido seu consumo como alimento. Mantidos isolados nestas formas, os novos animais semi-domesticados evoluíram para longe dos caminhos selvagens de seus antepassados, e se tornaram os animais mansos que conhecemos hoje. Os mesmos genes que hoje predispõem algumas pessoas a terem seu primeiro gato ou cachorro se espalharam entre aqueles primeiros agricultores.

Grupos que incluíam pessoas com empatia e cuidado em relação aos animais floresceram às custas daqueles sem isso, que tiveram que continuar a depender da caça para obter carne. Por que todos não se sentem da mesma maneira? Provavelmente, diz Bradshaw, porque, em algum momento da história, as estratégias alternativas de roubar animais domésticos ou escravizar seus cuidadores humanos tornaram-se viáveis. Estudos recentes mostram que o carinho em relação aos animais de estimação está de mãos dadas com a preocupação com o mundo natural.

 

Parece que as pessoas podem ser divididas grosseiramente entre aquelas que sentem pouca afinidade com os animais ou com o meio ambiente, e aquelas que estão predispostas a se importarem com ambos, usando a criação de animais como uma saída para o mundo natural na sociedade urbanizada de hoje. Dessa forma, os animais de estimação podem nos ajudar a nos reconectar com o mundo natural a partir do qual evoluímos”, acredita Bradshaw.

Science Alert via HypeScience ] [ Fotos: Reprodução / Pixabay / Curiosity]