Gooru - Miscelnia de Contedos

6 vezes em que o planeta simplesmente assassinou muitas pessoas de uma hora para a outra

por Redação Gooru 155 views0

Temos de começar a aceitar que o nosso planeta não precisa de nós, e talvez nem sequer nos prefira vivendo em seu território. De outra forma, como explicar os inúmeros desastres naturais que mataram milhões de pessoas ao longo da história?

 

Claro, alguns podem chamá-los de casualidades definidas por Deus, mas talvez sejam uma resposta da Mãe Natureza a atitudes da humanidade. Aqui estão alguns desastres naturais que nos levam a pensar sobre suas intenções.

 

6 – Um lago assassinou 1.746 pessoas durante a noite

Interrogue qualquer vizinho de um serial killer: ele provavelmente dirá que o assassino sempre se mostrou quieto, sem pretensões, sempre mantendo segredos para si mesmo, ou todas as alternativas acima. Portanto, pode não ser uma surpresa que os lagos sejam os assassinos em série da natureza. Todos são agradáveis ​, tranquilos, até que um dia irrompem e sufocam um bando de pessoas.

 

Lake Nyos, localizado em Camarões, é um lago de cratera. Criado por uma atividade vulcânica, ele armazena quantidades insanamente altas de dióxido de carbono por baixo da sua superfície. Isso geralmente não é um problema, já que a fluidez da água geralmente elimina veneno antes que ele possa borbulhar. Mas Lake Nyos é bastante estável – pode-se dizer que ele se mantém sozinho. Então, durante centenas de anos, o gás continuou se acumulando debaixo d’água, esperando por um motivo para vir à tona.

 

Ninguém sabe o que desencadeou o processo, mas em 21 de agosto de 1986, o lago explodiu – realmente explodiu. Uma coluna de água com mais de 300 pés de altura entrou em erupção no ar, e com isso, liberou gás suficiente para causar um pequeno genocídio. Centenas de milhares de toneladas de dióxido de carbono caíram a 60 milhas por hora, enquanto um mini-tsunami de água verteu-se em cascata ao mesmo tempo. Quando o ar foi limpo, 1.746 pessoas estavam mortas. A cidade vizinha de Nyos tinha 800 habitantes, e apenas seis sobreviveram à explosão.

Em 2001, cientistas franceses finalmente descobriram uma maneira de garantir que Lake Nyos nunca mais matasse alguém. O fundo do lago agora hospeda tubos que levam um fluxo constante de gás para longe. Além disso, um sistema de alarme também foi instalado para alertar as aldeias junto ao lago em caso de retorno do assassino silencioso, dando-lhes algum tempo para fugir por alguns quilômetros e evitar a morte.

 

5 – Um furacão nos grandes lagos matou centenas de pessoas e deixou dezenas de navios destruídos

Sabemos que algumas situações inesperadas podem ocorrer na região dos Grandes Lagos. Miragens, efeito nevado, combustão espontânea – a área possui clima e temperamento próprios. Mas nós tendemos a ignorar o quão perigosa a situação pode ficar, porque todos os que tentam nos advertir têm um sotaque muito doce. Mas nem mesmo todos os “Ei, é agora!” no mundo poderiam ter salvo essa população em 1913, quando o furacão White Hurricane matou mais de uma centena de pessoas e destruiu uma porção de navios.

 

Também chamado de “A Bruxa de novembro” (ou “The November Witch”, em inglês), esta tempestade de inverno foi diferente do que qualquer capitão dos Grandes Lagos jamais vira. Era um ciclone extratropical, que junto à neve criou um filho galês malvado feito de tempestades de furacões, brancura e ondas colossais.

 

Nem mesmo os marinheiros mais experientes estavam prontos para encurralar um furacão que também atirava nevascas. Ao cabo de um longo fim de semana, uma dezena de grandes naufrágios ocorreram no maior desastre marítimo enfrentado pelos Estados Unidos até então. Cleveland e outras grandes cidades próximas foram aniquiladas pelo evento e enterradas na neve. Quando o furacão branco terminou seu trabalho de quatro dias, o número de mortos foi superior a 250.

 

Mas há, nesse desastre, ao menos um saldo positivo. Como todos foram apanhados de surpresa, de modo que a segurança estava fora de guarda no momento do desastre, isso levou a rápidas melhorias na comunicação de evacuação, na preparação para tempestades e na previsão do tempo. A medida se revelou particularmente efetiva cem anos depois, quando o furacão Sandy surgiu em meio à sua própria tempestade. No entanto, graças às lições aprendidas com o White Hurricane de 1913 e as simulações que os meteorologistas executaram anos depois, Sandy foi impedida de fazer o pior – ao menos em um nível Walking Dead.

4- O Reino Unido existe apenas por causa de um tsunami fatal

Por mais que os britânicos tentem fingir que não, eles ainda são parte da Europa. Na maior parte da existência da Inglaterra, sequer havia água para separá-la do continente. Para que ela se tornasse uma ilha, um grupo de homens das cavernas teve que morrer afogado.

 

Nos tempos antigos, as áreas terrestres eram uma grande família apertada. Tal é o caso da Grã-Bretanha, que até oito mil anos atrás era na, melhor das hipóteses, uma península. Naquela época, o que agora constitui o Canal da Mancha, o Mar da Irlanda e o Mar do Norte eram terra seca, servindo como cordas umbilicais para a Mãe Europa. No entanto, quando a última Idade do Gelo se dissipou e as calotas derreteram, a região começou a desenvolver o clima muito mais suave e úmido de que eles adoram se queixar hoje.

 

Lentamente, mas deliberadamente, as terras baixas da Grã-Bretanha começaram a se inundar. Essa não era uma questão crucial para os cerca de cinco mil caçadores que habitavam a região, já que a mudança era espécie de prática comum. Mas então, por volta de 6100 aC, pensa-se que algum tipo de deslizamento gigantesco ocorreu em algum lugar da Noruega, causando um tsunami de grande porte que atingiu a Inglaterra. Isso era uma má notícia para qualquer um que portasse membros, porque, como um geólogo disse: “Qualquer um que estivesse de pé na lama naquele momento teria sido desmembrado”.

 

A região nordeste do município sofreu o impacto maior, com ondas de 33 pés de altura destruindo tudo e todos em seu caminho. Na Escócia, cientistas encontraram há pouco tempo um remanescente do momento em que aconteceu algo inacreditável: uma camada de areia antiga que caiu no que pode ter sido uma ribanceira contínua de argila. A água viajou 25 milhas para o interior, criando instantaneamente os três grandes corpos de água que mencionamos anteriormente. Os sobreviventes que migraram longe o bastante para o interior foram eliminados do continente.

3 – Um furo aberto embaixo da cama de um homem o engoliu enquanto ele dormia

Todos vimos as imagens surpreendentes nas mídias sociais de abismos gigantes que de repente aparecem do nada – por algum motivo, quase sempre na Rússia. Mas essas abominações bizarras podem acontecer em qualquer lugar e a qualquer momento, sem aviso prévio ou previsão. Mas por serem tão completamente aleatórios, eles certamente podem parecer planejados.

 

Alguns anos atrás, Floridian Jeffrey Bush dormia em sua casa quando um buraco abriu diretamente debaixo dele. O orifício tinha 20 pés de profundidade e 15 pés de largura, engolindo Bush e todo o quarto por inteiro. Seu corpo nunca foi encontrado, mas depois de várias tentativas do irmão de Jeffrey e das primeiras pessoas que ajudaram, concluiu-se que ele estava morto ou vivendo uma grande aventura como as de Jules Vernian nas entranhas da terra. Desprovidos de esperança e com danos tão extensos aos terrenos, os restos da casa foram demolidos e o fosso gigante foi preenchido sem cerimônia, com cascalhos.

 

E, então, ele se abriu novamente.

 

Em 2016, um buraco surgiu no mesmo ponto que levou a vida de Bush apenas dois anos antes. As autoridades confirmaram que era o mesmo orifício, que parcia ter tinha missões inacabadas neste mundo. Isso mostra que preencher um buraco que pode engolir sujeira com mais sujeira pode não ser a melhor solução. Basicamente, você está alimentando o buraco.

 

Infelizmente, esse tipo de ocorrência é muito comum na Flórida. A maior parte do estado tem grandes reservas de pedra calcária frágil sob sua superfície. Quando a água atinge a pedra, ela praticamente se dissolve, o que representa um perigo para uma região – composta, na sua maioria, por pântanos e áreas litorâneas. Os moradores da Flórida esperam que os Estados Unidos levem a sério as mudanças climáticas em breve, porque se esses níveis do mar continuarem a subir, todo o estado vai se dissolver como um Alka-Seltzer.

 

2 – A nevasca do Dia do Armistício de 1940 foi como uma neve Ninja

Há dias em que você dá início às atividades vestindo shorts e camiseta e ao pôr do sol se amontoa dentro de roupas e capuz, portando dois sacos de lixo como calças. Há, também, dias como um em novembro de 1940, quando uma tempestade de neve se elevou no Centro-Oeste a uma velocidade tão grande que alguns idosos norte-americanos ainda se recusam a tirar seus casacos 77 anos depois, apenas para se manterem seguros.

Em 11 de novembro, o dia em que o céu explodiu acima do norte dos EUA, teve início a uma temperatura agradável de 55 graus Fahrenheit (13 graus Celsius), que para a população local é um clima quente o suficiente para churrascos à luz do luar. Mas o clima excepcionalmente quente foi apenas um precursor de uma das mais terríveis explosões meteorológicas da história dos tornados em Iowa. O Vale do Mississippi acumulou três centímetros de chuva em pouquíssimo tempo. Mas nada foi tão grave quanto a tempestade do Dia do Armistício. Fortes ventos de 80 mph rasgaram Michigan. A chuva pesada se transformou em aguaceiro, depois em neve pesada quase que instantaneamente. Todo mundo ficou preso de modo inesperado. No decorrer de algumas horas, as temperaturas caíram de cerca de 60 para o congelarem em um único dígito. Os caçadores de pato sobreviventes referem-se àquele dia como um recordista em mortes, enquanto os patos se moviam às cegas tentando evitar a tempestade. Nós dizemos “sobreviventes”, porque muitos caçadores se afogaram ou congelaram até a morte na mesma tempestade.

 

Nenhum lugar estava seguro. Os carros foram atirados na rota dos caminhões que se aproximavam por causa da tempestade. Dois trens colidiram quando os sinais nas trilhas não podiam ser vistos. Toda a economia da região se transformou em um naufrágio por si só. Iowa era um dos principais produtores de maçãs daquela época, mas quando a tempestade atravessou o estado, as árvores de maçã foram desarraigadas e congeladas às centenas. Com a crise mundial de 1940 (quando a Alemanha cravava seus olhos por todos os lados), o estado não tinha dinheiro nem mão de obra para plantar novos pomares. Assim, o Iowa que você conhece hoje em dia, com suas culturas de milho e soja de rápido crescimento e eficiência, surgiu por causa de uma maldita tempestade, que agiu como se não gostasse nada de maçãs.

 

1 – Parafusos assassinos de iluminação

Não é estranho que possamos sobreviver a ser atingido pelos raios? Sério, raios. Tem que haver energia suficiente para lubrificar suas entranhas sem soltar a camada externa. Mas não se engane, é realmente fácil criar relâmpagos tão letais quanto qualquer tempestade de neve, poços de drenagem ou lagos cheio de gás. Você só precisa adicionar uma pitada de pólvora.

 

Quando armas e canhões se tornaram a nova moda na tecnologia de assassinato, eles também levantaram a questão sobre o armazenamento das vastas quantidades de pólvora. Seguindo um grande instinto de mantê-lo seguro e fora do alcance, o pó explosivo era frequentemente mantido dentro de cofres de castelos ou igrejas. Mas os estes também tinham outra coisa em comum: geralmente eram os edifícios muito mais altos, o que os transformava em trilhas de morte durante as trovoadas – e fazendo do toque de sino um dos trabalhos mais perigosos da época. Infelizmente, a constatação de que o armazenamento de explosivos nos mesmos pontos que constantemente são atingidos por disparos no céu é uma má ideia não vingou como tal. Um jornal marítimo do século XIX manteve um registro de todas as explosões graves provocadas por relâmpagos e concluiu que o raio estava se desviando para as aldeias europeias, como se quisesse ser coroado imperador da França.

Muitas vezes, essas explosões resultaram em poucas baixas, algumas propriedades danificadas e um novo anúncio procurando por um padre. Mas às vezes os resultados eram calamitosos. Em 1769, a cidade de Brescia, na Itália, descobriu que armazenar todo o seu poder de fogo em um lugar era uma boa maneira de perder toda a cidade. O conselho tinha abóbadas que guardavam 100 toneladas de pólvora, então, quando um raio atingiu a torre da igreja onde foi realizada, ele desencadeou uma explosão que fez até Deus estremecer. Um sexto da cidade foi achatado e três mil pessoas foram mortas.

 

Cem anos depois, a prática aparentemente estúpida de armazenar explosivos em abóbadas ainda não havia se extinguido. Em 9 de novembro de 1856, na ilha grega de Rodes, o raio atingiu o campanário da Catedral de São João, seguiu até os cofres e incendiou um gigantesco esconderijo de bombas. Em meros segundos, a catedral foi transformada em entulho e a cidade em uma cratera. Quatro mil pessoas morreram, e a maioria da cidade desmoronou completamente.

 

Pelo modo como as pessoas religiosas se comportavam naquela época, é estranho que ninguém tenha imaginado que, se suas igrejas continuassem explodindo por causa de ataques de relâmpagos. Isso poderia significar que Deus não gosta de manter explosivos humanos em sua casa.

[ Cracked via HypeScience ] [ Fotos: Reprodução / Cracked ]